segunda-feira, 29 de setembro de 2008

A Volta dos que Não Foram

Quem disse que felicidade de pobre dura pouco????

Eu estou praticamente explodindo de tanta felicidade depois de tantos sobes e desces a paz voltou a reinar.


Como dizia minha avó...depois de um vendaval sempre vem a bonança...que papo mais "E o Vento Levou, né?!?”

Muito melancólico isso nem parece que sou eu quem esta escrevendo...pô Aninha cadê a sessão besteirol????

Quando uma bicicletada nasce pra ser linda ela sempre será linda e nessa em especial contamos com personagens especiais.

Uma Criança Superpoderosa!
Um Ser se Fingindo de Fantasma, só para Xavecar as Menininhas!!!!
Foto: Falansterios
Um Canastrão se fazendo de Galã no melhor estilo "Cachorrinho com Fome"
E a melhor parte...aniversário com pizza - Lu e Sister Parabénsssssssssss!!!!!
Foto: Pedalante

Pedalante
Falansterios

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Para Compreender

Para os que insistem em me perguntar por que chamo o Márcio (mais conhecido como Mestre Libélula) de Sapo
Agora acho que não ficaram mais dúvida...

Quando o Márcio ler isso ele me mata!!!!

DMSC - Uma Grande Noite!!!

Algumas pessoas não entendem por que insistimos em pedalar em São Paulo
Nos rotulam de loucos, pirados, desocupados, pobres
Não conseguem enxergar a poesia do encontro
Do encontro das almas, dos corpos e dos prazeres
Não compreendem a harmonia dos movimentos
E ao menos sabem o que convivência
Vivendo em um mundo recluso e solitário, com raiva do próximo e incapaz de se entregar
Nunca pedimos muito
Pedimos apenas respeito

Minha Volta de Alphaville!!!

Eu iria apenas adicionar algum links no meu post sobre a aventura de vir trabalhar pedalando mas o assunto gerou polêmica!! Muita gente me chamou de doida e outros nem ao menos acreditaram na minha capacidade de conseguir tamanha façanha.

Mas gente eu fiz, ou melhor vim, ou talvez, vim e voltei! Sei lá, só sei que no final da noite somei cerca de 60Km pedalados.

E que delícia! Quando cheguei no trabalho a primeira coisa que fiz foi ligar pra minha mãe:

- Mamuska cheguei!!! Quero vir todo dia, é perigoso mais é muito bom!!!

- Não filha, todo dia não!!! Você vai ficar muito magrinha.

É com uma mãe assim não preciso maior incentivo! Pra ela o único problema em eu pedalar pra cima e para baixo, fazendo praticamente tudo de bike, são os quilos que eu estou perdendo, hahahaha!!!

Fiz uma matéria para o Estadão (o estado de São Paulo) a respeito, nessa matéria o reporter foi muito fiel ao que eu lhe respondi, com exceção a uma única parte (como sempre existem essas partes), ele escreveu que eu não pretendo realizar tal façanha novamente, estava enganado.

Disse que não posso vir trabalhar diariamente de bike pois uso o carro a serviço...e quanto a repetir a façanha?!?!?!?

Lógico que repetirei!!! No próximo DMSC ou simplesmente quando me der vontade de novo!

Abaixo segue os links das matérias publicadas, sugiro muito o segundo estadão TV, pois mostra o vídeo que o meu namorado mega coruja fez de mim voltando de Alphaville para SP (ao contrário do que esta escrito no texto).


Matérias Publicadas:
Estadão
Estadão TV

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Rua Viva!!! Brincadeiras de Crianças.

Dona Felicidade
A Turma do Balão Mágico
Lua lá no céu,
Queijo pão de mel
Na ponta do pincel,
Mostra no papel aonde encontrar
A tal da dona felicidade
Perguntei pro céu
Perguntei pro mar, pro mágico chinês

Mas parece ninguem sabe, aonde a felicidade
Resolveu de vez morar
Até que um anjo me disse, que ela existe
Que é tão fácil encontrar
Bem lá no fundo do peito o amor é feito
É só você se entregar
E você vai ser muito feliz,
É só na vida acreditar
E você vai ser muito feliz,
É só na vida acreditar
Lua lá no céu...
Lálálálálálálálálá Lálálálálálálálálá...

Mais fotos:
Aninha Multiply
Falansterios
Isaac
Pedalante

Dia Mundial Sem Carro!!! E Você esta Fazendo a sua Parte?!?!?!?!

Eu estou fazendo a minha!!! Hoje vim trabalhar de Bike!!! Sai de Pinheiros por volta das 6:20hs da manhã e depois de 1:09:53 estava em Alphaville, sendo o trajeto com 22km.

A viagem foi relativamente tranqüila, mesmo tendo levado duas fechadas de ônibus SP e uma aqui em Alphaville (detalhe que aqui em Alphaville foi um ônibus escolar!!!)

Também sofri um pouco com o vento contra mas o meu objetivo foi muuuito bem alcançado!
Minha bike no estacionamento da empresa

A Infra-estrutura na empresa onde eu trabalho me ajudou bastante, pois pude tranquilamente tomar um banho e um belo café da manhã assim que cheguei!

Isso nunca teria sido possível se o Marcio não me tivesse acompanhado, esse trajeto é muuuito perigoso! A Castelo Branco tem um grande índice de atropelamentos e um histórico de roubos de bicicleta enorme.

Uma pena pois se não fosse assim viria todos os dias!!!

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Desafio Intermodal...Eu Fui e Perdi! Eheeeee!

Como foi bom participar desse "Desafio Intermodal"!!!


Houve os que me chamaram de traíra... mas gente pensa bem, se eu não estivesse lá de carro como poderíamos provar que nós realmente somos uma verdadeira alternativa para transporte?!?!?

Juro que não fiz nenhuma marmelada que realizei meu percurso direitinho conforme o Trânsito permitia.

Foi irritante percorrer os 12,3Km em 1h51m, principalmente por que 8km eu fiz em 1h40m, isso mesmo!!! Realmente angustiante ver o farol da Berrini em um trajeto de 50m abrir e fechar 3 vezes e eu não conseguir sair do lugar.

Mas foi maravilhoso chegar a frente à prefeitura e ver todos os ciclistas e alguns outros modais lá todos me esperando. E o Márcio então que fez o trajeto todo em 36m que orgulho do meu Sapo!

Tudo aconteceu mais ou menos assim:

Saímos da Praça General Gentil Falcão (Av. Berrini altura do n° 1000) por volta das 18:22hs, o objetivo de todos, cada um com seu modal era chegar o mais rápido que o Código de Trânsito e o Trânsito de São Paulo permitissem em horário de pico na cidade.

Éramos 12 participantes:

1. Carro Particular – Eu
2. Moto – Soninha
3. Bicicleta (homem) por vias movimentadas – Willian
4. Bicicleta (mulher) por vias movimentadas – JuM
5. Bicicleta (homem) por vias tranqüilas – Marcio Campos
6. Bicicleta (mulher) por vias tranqüilas – Evelyn
7. Bicicleta dobrável integrando com o Metrô – Aylons
8. Bicicleta dobrável integrando com o Ônibus – Neto
9. Pedestre de Ônibus – Matias
10. Pedestre de Trem e Metrô – Toni
11. Pedestre Ônibus e Metrô – Bruno
12. Pedestre a pé – Ian

E eu muito orgulhosamente fui uma das últimas... o trânsito ontem estava particularmente um horror! Não sei se achei tão horroroso assim por ter acontecido alguma coisa ou por nunca trafegar de carro nesse horário e não saber que todo dia é assim mesmo.

É horrível olhar para os lados e ver um mar de carros todos ocupados em sua grande maioria por uma pessoa, e todas sem exceção completamente estressadas, assumo que comecei meu trajeto bem animadinha, mas quando os minutos foram passando e eu não conseguia sair do lugar, quando o pé começou a formigar e as costas doer, senti uma vontade enorme de largar o carro ali e prosseguir a pé.

O trânsito de São Paulo hoje, é uma verdadeira selva de pedras, ninguém se respeita, todos querem um superar o outro em um mundo enlatado completamente desnecessário.

O grau de agressividade chega a tal ponto que as pessoas se insultam desnecessariamente. Passei por uma situação engraçadíssima.

Estava com a Bike do Bruno presa no rack do carro, quando estava quase acessando a Juscelino Kubitschek um carro para ao lado e o motorista grita: "Tira essa bike do carro e vai pedalar! Não é um carro a menos, PORRA!!!" , desculpem o palavrão mas quis ser fiel na representação dos fatos. E o melhor... depois de uns 5 minutos parados eu e ele lado a lado sem nada a fazer, um dos seus caronas desce do carro irritadíssimo e segue a viagem a pé.

Sim lindo! A vingança veio em caminhada... mas gente isso era necessário?! Esse cara me conhece? Por que ele fez isso? Por que tanta gente assim como ele faz isso? Imagine só se eu fosse uma Maria Louca, bem assim tipo ele, e resolvesse aceitar a provocação? Saísse do carro e começasse a discutir. o que eu ganharia com isso?

bem espero de coração que esse desafio seja muito publicado na imprensa, de modo correto, lógico! E que mostre as pessoas assim como ele que São Paulo tem jeito sim, o que precisamos realmente é rever nossos conceitos e brigar por nossos direitos de termos alternativas dignas de transportes e não um aquário de lata.

A linha de Chegada:

1° Marcio Campos - 36 minutos (Ciclista ruas calmas)
2° JuM e Willian - 42 minutos (Ciclistas ruas movimentadas)
3° Evelyn - 49 minutos (Ciclista ruas calmas)
4° Neto - 59 minutos (Bike dobrável + ônibus)
5° Soninha - 1 hora e 04 minutos (Moto)
6° Toni - 1 hora e 41 minutos (Trem + Metrô)
7° Matias e Eu - 1 hora e 51 minutos (ônibus e carro)
8° Ian - 2 horas e 13 minutos (Pedestre)
9° Aylons - 2 horas e 21 minutos (Bike dobrável + Metrô)
10° Bruno - 2 horas e 40 minutos (Ônibus + Metrô)

Chantal, muuuuito obrigada pela companhia, apesar de não termos podido conversar direito foi maravilhoso!!!Horrível conversar com uma câmera na cara!!!

Mas Relatos, Fotos e Reportagens aqui:

CicloAtivando
CicloBR
Diário do Comércio
ESPN
Estado de São Paulo
Folha de São Paulo
Globo

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

DMSC!!!



Mais detalhes:

visite a página do DMSC no site da Bicicletada.


Boas Lembranças!

"Me lembro de uma passagem uns tempos atrás:

Estava na bicicletaria, trocando meus pneus 2.0 novinhos por dois 1.5 slicks, pois os largos não me agradavam. Pagava R$ 25 paus em cada pneu, mais as câmeras novas...sem pensar muito que estava gastando uns 70 reais ali, graças a Deus não me fazem falta.

Enquanto aguardo, um rapaz bem simples, com uniforme de empresa e uma bike toda fudida chega perguntando quanto era um pneu novo. A bike dele era uma montain bike toda ferrada, com roda dianteira com aro diferente da traseira, os pneus estavam um caco, sem ferio traseiro...

Puxei assunto e ele me disse que ia para o trabalho todo dia de bicicleta, fiz uns cálculos e ele pedalava uns 40km por dia. Disse que fazia supermercado, tudo ele ia de bike pois era mais rápido e fazia bem pra saúde.

Ao saber o preço do pneu mais barato, descartou a compra pois nitidamente não tinha a grana para comprá-lo.

A minha ficha caiu. Ofereci meus dois pneus com as respectivas câmeras. Ele achou meio estranho e perguntou quanto era. Disse que não era nada, eu ia entulhar isso em casa e pedi pro cara da bicicletaria arrumar uma roda 26 usada pra ele montar com os pneus que dei.


O cara abre a carteira, saca os únicos 10 reais que tinha e me oferece. Me senti um lixo. Falei pra ele que ficaria muito feliz em saber que ele iria usar os pneus e que dos amigos não se cobra nada.

Os olhos do cara encheram de lágrimas...

Eu vivo lamentando os números da empresa, que eu perdi ali, que eu ganhei ali...catzo, eu tenho um monte de bicicletas, todas do jeito que quero, poderia me sentir um cara realizado, e acho que pedalo muita coisa...

Eu sou na realidade um merda...quem pedala são estes guerreiros. Eles são os ciclistas urbanos, percorrem distâncias diárias gigantes com uns trambolhos daqueles, só com freio traseiro. Nem fazem idéia do que a bicicleta representa no trânsito ou os direitos que têm, eles só querem pedalar e chegar vivos em casa.
Um verdadeiro ciclista Urbano
Tem situações que fazem a gente pensar: o que faz encontramos estas pessoas para deixarmos de reclamar um pouco e olhar pro cara que tá do seu lado?

Acho que se as bicicletas não forem para todos, não serão para ninguém.

É isso.

Canna"

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Um ótimo exemplo!

Já imaginou, como seria um dia sem seu carro na grande cidade?
Em caso negativo, aproveite que setembro, é o mês do dia munidal sem carro ( 22): opte por caminhar, pedalar, patinar e/ou utilizar o transporte coletivo (ônibus).
Se você, tem mil e uma justificativas, para não usar o transporte coletivo, veja como se faz ( de casa para a escola, dos filhos):

1- Caminhe de casa, até o ponto de ônibus,
aproveite e observe a paisagem, diga olá aos vizinhos.

2- aguarde o ônibus, no ponto.

3- suba no ônibus.

4- Pague sua passagem(utilize o bilhete único)

5- acomode-se.
Da janela do ônibus, você pode observar a cidade.

6- Pronto, chegou ao destino. Desça do ônibus com vagar.

7- Cuidado, ao atravessar as ruas, elas estão mal sinalizadas para nos caminhantes.

8- No caminho, aproveite para brincar de amarelinha. Você vai adorar.

9- Chegamos. Agora, vá estudar.




Para saber mais, sobre o Dia Mundial Sem Carro:

Dia Mundial Sem Carro - clique aqui

Dia Sem Carro - clique aqui

O mês sem carro em São Paulo - clique aqui

Quem atrapalha os ônibus - clique aqui

Dia Sem Carro em SP - 2007
Dia Sem Carro em SP - 2006
Dia Sem Carro em SP - 2005

Cópia autorizada de:

Pedalante - Dia Mundial sem Carro

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Café com leite

Café com leite pois foi assim que eu me senti este final de semana, sabe quando a gente é pequenininho e brinca de pega-pega com os maiorzinhos e a galera grita: " - A Aninha é café com leite!". Então foi assim que eu me senti...brincando mas por fora da brincadeira

A única coisa que me deixou realmente arrasada no final de semana foi não ter podido ir a Sorocaba pedalando. Mas tudo bem já estou me recuperando do tombo e pelo que tudo indica já poderei pedalar no próximo sábado.

Queria muito fazer mais essa cicloviagem, mas nem sempre podemos ter tudo o que queremos, não é?!?!

Como queria acompanhar a galera de qualquer jeito dei meu jeito, fui de carro (arght!) com a Dani e o Gabriel, esposa e nenem do Cuevas (XPK).


O bom foi que deu para roubara algumas poucas imagens da viagem que essa turma encarou, nesse video que eu fiz em homenagem a eles não mostra nem um 1/5 do esforço deles e nenhum pingo da felicidade que estava estampada no rosto de cada um.

video

Sei que a música que eu escolhi para o video soa um pouco triste, mas tem passagens belissimas que se prestar atenção da para se ver fazendo o "The Golden Path - (The Chemical Brothers)". Sempre me lembro dela quando faço uma cicloviagem e queria muito um dia coloca-la em um video...então a todos que participaram dessa viagem considerem isso o maior presente.

Parabéns!!!

Mais Fotos e Videos:
Aninha Multiply
Ciclobr
Ciclobr Video
Mario Canna
Vitor Leal

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Manifesto dos Invisiveis

Motorista, o que você faria se dissessem que você só pode dirigir em algumas vias especiais, porque seu carro não possui airbags? E que, onde elas não existissem, você não poderia transitar?

Para nós, cidadãos que utilizam a bicicleta como meio de transporte, é esse o sentimento ao ouvir que “só será seguro pedalar em São Paulo quando houver ciclovias”, ou que “a bicicleta atrapalha o trânsito”. Precisamos pedalar agora. E já pedalamos! Nós e mais 300 mil pessoas, diariamente. Será que deveríamos esperar até 2020, ano em que Eduardo Jorge (secretário do Verde e do Meio Ambiente de São Paulo) estima que teremos 1.000 quilômetros de ciclovias? Se a cidade tem mais de 17 mil quilômetros de vias, pelo menos 94% delas continuarão sem ciclovia. Como fazer quando precisarmos passar por alguma dessas vias? Carregar a bicicleta nas costas até a próxima ciclovia? Empurrá-la pela calçada?

Ciclovia é só uma das possibilidades de infra-estrutura existentes para o uso da bicicleta. Nosso sistema viário, assim como a cidade, foi pensado para os carros particulares e, quando não ignora, coloca em segundo plano os ônibus, pedestres e ciclistas. Não precisamos de ciclovias para pedalar, assim como carros e caminhões não precisam ser separados. O ciclista tem o direito legal de pedalar por praticamente todas as vias, e ainda tem a preferência garantida pelo Código de Trânsito Brasileiro sobre todos os veículos motorizados. A evolução do ciclismo como transporte é marca de cidadania na Europa e de funcionalidade na China. Já temos, mesmo na América do Sul, grandes exemplos de soluções criativas: Bogotá e Curitiba.

Não clamamos por ciclovias, clamamos por respeito. Às leis de trânsito, à vida. As ruas são públicas e devem ser compartilhadas entre todos os veículos, como manda a lei e reza o bom senso. Porém, muitas pessoas não se arriscam a pedalar por medo da atitude violenta de alguns motoristas. Estes motoristas felizmente são minoria, mas uma minoria que assusta e agride.

A recente iniciativa do Metrô de emprestar bicicletas e oferecer bicicletários é importante. Atende a uma carência que é relegada pelo poder público: a necessidade de espaço seguro para estacionar as bikes. Em vez de ciclovias, a instalação de bicicletários deveria vir acompanhada de uma campanha de educação no trânsito e um trabalho de sinalização de vias, para informar aos motoristas que ciclistas podem e devem circular nas ruas da nossa cidade. Nos cursos de habilitação não há sequer um parágrafo sobre proteger o ciclista, sobre o veículo maior sempre zelar pelo menor. Eventualmente cita-se a legislação a ser decorada, sem explicá-la adequadamente. E a sinalização, quando existe, proíbe a bicicleta; nunca comunica os motoristas sobre o compartilhamento da via, regulamenta seu uso ou indica caminhos alternativos para o ciclista. A ausência de sinalização deseduca os motoristas porque não legitima a presença da bicicleta nas vias públicas.

A insistência em afirmar que as ruas serão seguras para as bicicletas somente quando houver milhares de quilômetros de ciclovias parece a desculpa usada por muitos motoristas para não deixar o carro em casa. “Só mudarei meus hábitos quando tiver metrô na porta de casa”, enquanto continuam a congestionar e poluir o espaço público, esperando que outros resolvam seus problemas, em vez de tomar a iniciativa para construir uma solução.

Não podemos e não vamos esperar. Precisamos usar nossas bicicletas já, dentro da lei e com segurança. Vamos desde já contribuir para melhorar a qualidade de vida da nossa cidade. Vamos liberar espaços no trânsito e não poluir o ar. Vamos fazer bem para a saúde (de todos) e compartilhar, com os que ainda não experimentaram, o prazer de pedalar.

Preferimos crer que podemos fazer nossa cidade mais humana, do que acreditar que a solução dos nossos problemas é alimentar a segregação com ciclovias. Existem alternativas mais rápidas e soluções que serão benéficas a todos, se pudermos nos unir para trabalhar juntos.

A rua é de todos. A cidade também.

Nós, que também somos o trânsito:

Alberto Pellegrini
Alex Gomes ( U-Biker )
Alexandre Afonso
Alexandre Catão
Alexandre Loschiavo (www.sampabiketour.blogspot.com)
Ana Paula Cross Neumann (Aninha)
André Pasqualini (CicloBR)
Antonio Lacerda Miotto (Pedalante)
Aylons Hazzud
Ayrton Sena Santos do Nascimento
Bruno Canesi Morino
Bruno Gola
Carolina Spillari
Célia Choairy de Moraes
Chantal Bispo (Eu vou voando)
Daniel Ingo Haase ( FAHRRAD )
Daniel Albuquerque
Eduardo Lopes Merege
Eduardo Marques Grigoletto (CicloAtivando)
Fabrício Zuccherato (pedal-driven)
Flávio "Xavero" Coelho
Felipe Aragonez (Falanstérios)
Felipe Martins Pereira Ribeiro
Fernando Guimarães Norte
Gustavo Fonseca Meyer
Hélio Wicher Neto
Jeanne Freitas Gibson
João Guilherme Lacerda
José Alberto F. Monteiro
Juliana Diehl
Juliana Mateus
Jupercio Juliano de Almeida Garcia
Laércio Luiz Muniz
Leandro Cascino Repolho
Leandro Kruszielski (meandros)
Lucien Constantino
Luis Sorrilha (BIGSP)
Luiz Humberto Sanches Farias
Marcelo Império Grillo
Márcia Regina de Andrade Prado
Márcio Campos
Mário Canna Pires
Matias Mignon Mickenhagen
Mathias Fingermann
Otávio Remedio
Paula Cinquetti
Polly Rosa
Renata Falzoni (www.falzoni.com - www.nightbikers.com - www.espn.com.br/renatafalzoni)
Ricardo Shiota Yasuda
Rodrigo Sampaio Primo
Ronaldo Toshio
Silvio Tambara
Thiago Benicchio (Apocalipse Motorizado)
Vado Gonçalves (cicloativismo - www.moonlightbikers.com.br)
Vitor Leal Pinheiro (Quintal)
Willian Cruz (Vá de Bike!)
André Mezabarba - Belo Horizonte

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Minha alma...

Coisas simples como abrir os olhos todas as manhã quando acordamos nos mostra que a vida é cheia de alternativas.

Todos os dias quando me olho no espelho assim quando acordo, além de uma cara toda amassada e um cabelo pra lá de desarrumado, vejo minha alma! E essa alma clama, pede suplica: vida!

"Ela" quer viver a intensidade dos segundos e a cada segundo muda de opinião, tenho muitas alternativas todos os dias quando acordo, mas como normalmente estou muito sonada, afinal o cotidiano não me permite ter as horas de sono que eu realmente gostaria de ter, penso apenas em duas alternativa: "Bom Humor ou Mau Humor?!?!?"

Sempre escolho o primeiro, mas como disse anteriormente a minha alma vive a intensidade dos minutos e muda, pois tudo muda o tempo todo no mundo, e por que com a minha alma seria diferente?!

A primeira opção é sempre pelo belo e gracioso, pelo amor e pela compaixão, mas às vezes a vida nos prega peças, e essa peças não diferentes de um quebra-cabeça são muito difíceis de encaixar. Maldito livre arbítrio, ou bendito sei lá! Só sei que ele existe e em muitos dias faz minha cabeça soltar fumaça.

Existem um milhão de opções e outro milhão de oportunidades, como saber se a opção que escolhi me levara a oportunidade que desejo, é, não tem como saber, e isso que da graça a vida!

Imagine que monótono seria viver tudo igual, termos facilmente tudo o que desejamos, sem nenhuma conquista, só os fracos desejam isso, só os sem alma podem ver graça nisso.

Como alcançar o simples, a plenitude a sabedoria extrema...não sei te responder, na verdade ninguém sabe...o que é simples para mim pode ser uma confusão para você.

E hoje preciso assumir até o que é simples pra mim esta todo embolando. Estranho? Nem um pouco é a graça de vida!

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Estou de castigo!!!

Em protesto a eu não poder pedalar por tempo indeterminado...tudo por culpa daquele tombo ridículo que eu levei durante a última bicicletada e que me estourou o joelho.

Resolvi "postar" um pequeno verso que me remeta a infância, algo que pra mim é assim...como andar de bicicleta, um encontro das almas da Aninha menina que ficou no passado e da Aninha mulher que não cansa de viver o presente sem nunca esquecer o passado.

" Batatinha quando nasce
Esparrama pelo chão
Menininha quando dorme
Põe a mão no coração"




To triste...muito triste...

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Negociando o inegociável

Esse final de semana eu e mas alguns loucos por bicicleta invadimos Ubatuba...para descansar??? Imagina, descansar até estava no roteiro, mas o objetivo mesmo era uma reunião para estreitar laços e viabilizar a tão sonhada cicloviagem SP x Ubatuba.

Para essa viagem teremos o apoio da Prefeitura de Ubatuba que esta incentivando muito o uso da bicicleta, cicloturismo e cicloviagens.

A cidade esta investindo muito na construção de ciclovias, ciclofaixas e rotas seguras para bicicleta, tudo bem identificado e sempre dando preferência aos ciclistas.
Como não poderia ser diferente além de muita informação trocada e planos traçados, muuuuita diversão rolou, e como esse blog só serve para diversão mesmo delicie-se com as imagens...
A Trupe - Felipe, Marcio, Daniel e Marcelo
Não há problema algum em proibir......se nos dão condições de guardar as bicicletas
Em toda cidade avistasse milhares de paraciclos, alguns fornecidos pela prefeitura e outros pelos próprios comerciantes que conseguem enxergar no ciclista algo além do que pessoas que andam de bicicleta.
Qualquer semelhança não é mera conicidência
Fala que não vale a pena!?!??!
Cenas estranhas de homosexualismo...e eu ainda namoro esse cara aí que esta com a mão em lugar duvidoso
Algumas pessoas nem sabem por que caem, outras caem mesmo por que são pessoas
A lenda diz e a foto confirma...dizem que a libélula só molha a bundinha...reparem que ele esta de boné, ou seja, só esta molhando a bundinha
Fala que isso não é um convite
Olha o caipira lá...tem que tirar foto da ciclovia, parece que nunca viu
Isso sim transmite segurança e respeito
Cuidado!! Homem pensando...