terça-feira, 12 de maio de 2009

Evolução - O Homem no Século XXII

Inspirada em uma viagem do Márcio, criei o personagem futurista abaixo, O Homem do Século XXII.
- Supernapa: Super nariz para filtrar melhor a poluição

- Boca Pequena: em formato cônico para facilitar o encaixe de canudos e hamburgues

- Mão em Forma de Pinça: com apenas 2 dedos, onde um é o polegar e o outro a junção dos outros 4, facilita pegar hamburgueres e enlatados

- Cabelo Yorkshire: para proteger os olhos da claridade

- Olhos Mínimos: para suportar a radiação UV e a poluição tanto do ar como visual

- Ouvidos Cônicos: para suportar poluição sonora

- Cabeça Grande: cérebro extremamente desenvolvido para compensar a não utilização do resto do corpo

- Carro para Transporte: como não utilizará o resto do corpo devido a dependência exagerada do uso do automóvel o "Homem Evoluido" não mais andará, sendo necessário assim a utilização de veículos de individuais de transporte, claro que controlados por voz, afinal, as mãos estarão ocupadas com hamburgueres e refrigerantes.
Acredita-se que no Século XXIV os seres Humanos não possuirão mais pernas ou braços.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Perguntas...

É lógico que vivemos em um país difícil, que temos dificuldades reais que interferem diretamente no desenvolvimento pessoal e nos relacionamentos de um modo geral, mas a negatividade que vem assombrando a tantos não é justificável.


Já expus em outra situação minha visão quanto à “luta”, não a uma luta específica, mas sim a todas as lutas e acredito ainda que enquanto todos estiverem presos ao individualismo de sua causa e despreocupados com o geral nada nem ninguém vai mudar.


Para mudar o mundo é preciso mudar primeiro a si mesmo!


Tente um dia se isolar do mundo, mesmo que seja em um canto da sala, e repensar suas idéias, será que o que você esta pedindo ou reivindicando esta correto? Será que você age de acordo com o que você tanto briga?

A soma e a subtração de idéias e ideais é necessária a qualquer individuo ou organismo. Tudo muda o tempo todo e tudo o que é novo assusta, dá medo, mas não tem jeito o novo sempre vem.


Será que a minha luta pode ser somada a sua? Será que a minha necessidade não é a mesma que a sua?